sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

O dia em que prostitui meu pé

Estava trabalhando no centro da cidade, passava pelo Largo da Carioca com minha pasta em baixo do braço em mais um episódio cansativo da minha vida de estagiária até ver um tumulto.Percebi que era a gravação de uma reportagem. Aproximei-me com alguma curiosidade e vi que não era nada de mais, o repórter estava fazendo algumas brincadeiras e tirando sarro dos trabalhadores ali.

Afastei-me um pouco decepcionada por ter desviado o caminho, entrei pelo convento para pegar a Almirante Barroso, quando uma mulher me abordou. E que mulher!Devia tem uns trinta e cinco anos, os mais bem vividos que uma mulher poderia ter...

-O que o povo não faz para aparecer na TV, né?

-É sim, só porque é pro Fantástico e a galera gosta...

Que coisa idiota “a galera gosta”! Fantástico é uma das coisas mais depressivas do domingo...

Continuei andando rápido, não por pressa, mas por algum nervosismo.

-Então, érr estive aqui calculando e você deve calçar uns 35, né?

-Nossa! Como você sabe?

-Bem, é que eu sou designer de sapatos e trabalho com isso.

-Genial, acertou em cheio.

-Foi um pouco difícil por conta de o seu tênis ser um pouco bruto. Eu estou trabalhando numa campanha de pés femininos. Você sabia que muitas modelos, como a Gisele Bündchen, têm os pés feios e precisam de dublês?

Tocar nesse ponto de que as mais bonitas precisam de mortais como nós, ela estava jogando sujo.

-É?

-É sim... O pé dela é magro e com os dedos um tanto tortos, sem muita simetria...

-Nossa.

-Pois é. Então, eu estou pesquisando e muitas mulheres não se sentem satisfeitas com seus pés, que nota você daria para o seu pé?

Eu jamais dei atenção a isso, não é uma coisa que se planeja: avaliar partes do seu próprio corpo!

-Bem, nunca tinha pensado nisso, mas eu não gosto muito do meu pé porque ele é meio gordinho e eu não posso usar alguns tipos de sandálias porque ele esparrama... Acho que daria uns seis, pra ficar na média...

-Seis?Não é mal...

Chegamos à calçada em frente ao Liceu e fomos interrompidas por um carro que saia para a Rua Senador Dantas.

-Eu estou fazendo uma campanha de pés femininos em prédios comerciais aqui do centro. Se puder ver aqui tenho algumas fotos na minha maquina.

-Estou com um pouco de pressa, você pode me acompanhar?

-Não, isso a gente tem que ver com alguma calma e atenção...

-Ok, por favor, então continue, tenho alguma pressa...

-Você se importaria de mostrar um pé seu?

-Bem, acho que não esse tênis é fácil de tirar, olhe...

Por que eu fiz isso?Me prontifiquei assim?

-Hum, mas que pé lindo! Seu pé é lindo, garota! Você sabia que muitos homens tem fetiche por pés?É uma tara muito comum e eles se importam muito com isso...

eu já vi alguns filmes, tem até um com o Eddie Murphy...

Quem lembraria do Eddie Murphy? Eu e o meus comentários sempre muito pertinentes e adequados...Tinha uma mulher linda ali, alô?

-Sim, sim... Veja.Estas fotos eu consegui com pessoas que abordei na rua assim como você e que fizeram na amizade.Mas eu converso e pago cachês de até duzentos reais para fotografar pés.Você se interessa?

-Claro, mas agora é um pouco complicado.

-Eu te pagaria cinquenta reais para você me emprestar quinze minutos do seu tempo.

Cinquenta reais em quinze minutos? Eu trabalho um mês por um salário mínimo...Fazendo uma regra de três...Éh...acho que vou lucrar com isso!

-Bem... Acho que tudo bem, se for rápido, preciso voltar à Lapa...

-Certo então siga-me.

Andamos por uma rua, e depois outra, viramos uma esquerda e entramos num prédio que tinha algumas catracas ai descemos um lance de escadas rolantes e até chegarmos num lugar com elevadores e algumas escadas. Ela foi falando do projeto dela e de outras coisas que tentassem me assegurar da veracidade do trabalho. Entramos pelas escadas e subimos uns três andares.

-Está bem, eu não gosto de fazer em andares muito baixos, porque eles são mais movimentados, mas aqui está bom. Você pode tirar o tênis e a meia e eu vou dizendo o que tem que fazer...

Segui as instruções e tirei o tênis, logo, tive algum receio. Já estava no fim da tarde e eu estava desde as dez da manhã na rua com aquele tênis e justamente naquele dia tinha feito um calor enorme. Minha meia era preta de algodão, então meu pé estava suado, provavelmente com chulé e cheio de pelos pretos da meia... Uma situação horrorosa, limpei com a meia...

-Ah eu queria ter tirado uma foto com ele sujo!

-Sinto muito, é que achei que estava pouco apresentável...

Tirou uma, duas, três, quatro fotos...meu pé estava fotografado por inteiro, de todos os lados...Até que para minha surpresa ela virou e disse:

-Ponha o pé no meu rosto.

-Como assim?

-Coloque!

-Assim?

-Sim, passe o pé no meu rosto e tome a câmera e filme.

Então a mulher misteriosamente começou a lamber e a chupar meu pé, meus dedos e adjacências –sapatanas-péziana-pénianas- . Meu Deus que louca! Que tarada! Maníaca! Que linda! Sensual! Que estranha!

Eu sabia que era treta essa história de projeto de moda design de pés! Ela fazia vídeos sensuais de sexo oral com pés!Ahhhhhh!Mas eram cinqüenta reais com uma mulher excentricamente linda...

Prostitui meu pé! Foi uma das vendas mais esquisitas que eu realizei... Sinceramente nem o fato dela ser atraente nem de me remunerar conseguiram que eu relaxasse diante da situação. Sem um encontro, um flerte, nem nada... Encontrei uma louca na rua e deixei ela chupar meu pé!

Peguei um taxi e voltei ao trabalho, com a lembrança do dia em que prostituí o meu pé.

3 comentários:

  1. fantástico... simplesmente fantástico...

    ResponderExcluir
  2. Muito legal essa história, pra quem é podólatra vale qualquer loucura para se delícia com um belo pezinho

    ResponderExcluir

O que achou?